À conquista do Parque Nacional da Peneda-Gerês – 4º Dia

hpim4983_old.jpg

Rota: Entre-Ambos-Os-Rios – Lindoso – Soajo –  Mezio – Peneda – Lamas do Mouro

Era já o 4º dia em pleno PNPG…

Começou cedo o dia. Os espigueiros de Lindoso de do Soajo esperam, como o fazem à séculos! Era também o dia das 3 serras: Amarela, Soajo e para terminar a Peneda.

OS ESPIGUEIROS

Também chamados de caniços ou canastro, os espigueiros são estruturas de pedra (também encontramos espigueiros totalmente em madeira ou mesmo mistos) que têm como função a secagem do milho. Através da elevação do solo com recurso a colunas de pedra, permite-se o afastamento do mesmo aos roedores. São usadas fissuras laterais para permitir a circulação do ar.

Apesar de estas estruturas se encontrarem um pouco por todo o país, é no Norte que eles são mais característicos, principalmente os da zona do Gerês, construídos inteiramente de pedra.

Os espigueiros aqui referidos, os do Soajo e do Lindoso, são imóveis classificados como de interesse público.

Em Lindoso podemos apreciar, junto do imponente castelo, um conjunto impressionante de espigueiros, o maior conjunto nacional, com quase uma centena de exemplares.

hpim4976.jpg

hpim4980.jpg

hpim4982.jpg

hpim4986.jpg

Um deleite para a vista… estes espigueiros! E não seriam os últimos, faltavam os do Soajo!

Depois de uma visita ao castelo do Lindoso e às suas exposições de armas o trilho segue para o Soajo.

SOAJO

Em pleno PNPG o Soajo é uma aldeia diferente. É um oásis da civilização moderna em plena serra. Aqui podemos encontrar os mais variados serviços: banco (multibanco), correios, restaurantes, etc.

Toda a aldeia foi sujeita a um plano de remodelação e conservação de forma a preservar a sua arquitectura única. Casas, calcadas em pedra, pelourinho… são a porta, a passagem para um tempo distante mas que ali se encontram os seus resquícios.

Vindo de Linhoso, encontrará à entrada da aldeia um conjunto magnífico de espigueiros em pedra, com a particularidade de quase todos eles assentarem também em uma base de pedra (um enorme maciço granítico).     

 hpim4992___2.jpg

A Serra do Soajo é sem dúvida magnífica. Já na fronteira do PNPG, a caminho de Arcos de Valdevez fica a Mata do Mezio, além dos vestígios pré-históricos é um sítio único com percurso homologado fechado. Aproveita para merendar no belo parque de merendas.

Aproveite para apreciar o Vale do Ramiscal com cerca de 10 quilómetros de extensão que se dispõe no sentido Este-Oeste. A maior parte da sua área está protegida legalmente pelo máximo estatuto de protecção ambiental, o de Parque Nacional. Infelizmente, em Agosto de 2006, grande parte da Mata foi consumida pelo fogo e era formada sobretudo por exemplares de Carvalho-alvarinho (Quercus robur) de grande porte e por azevinhos antiquíssimos. Neste local deambulava o Lobo-ibérico (Canis lupus signatus), a Águia-real (Aquila chrysaetos) cruzava assiduamente os céus e o Gato-bravo (Felis silvestris) refugiava-se no mais espesso do bosque.hpim4994.jpg

hpim4995.jpg

Fraga dos Pastorinhos

Caminhos serpenteados, vales escarpados, bois de raça barrosão e muitas cabras à mistura levaram-nos até ao Santuário da Peneda, um local de culto em pleno vale glaciar, o “Bom Jesus” do Gerês. Não deixe de apreciar as suas cascatas, suba-as e delicie-se com lindas lagoas. Todavia mais impressionante que o próprio santuário, e o sítio onde se ergue é a protecção que o ladeia… uma enorme fraga!  

hpim4999.jpg

hpim5005.jpg

Ponte em Lamas do Mouro

hpim5008.jpg

As encostas da Serra pintadas pelas cores de um artista divino.

Era final de tarde em Lamas do Mouro… depois do percurso que nos pelas entranhas da aldeia e arredores formos surpreendidos por uma visão magnífica… garranos!

hpim5015.jpg

Lama do Mouro é uma das Portas de Entrada no PNPG e sem dúvida a que melhor serve os interesses dos visitantes. Uma estrutura moderna, com muita informação sobre o parque e acima de tudo pessoas muito simpáticas. Nota: obrigado ao responsável pela informação por me ter deixado descarregar as fotos para a pen… ufa!   

Depois de uma refeição a frio, como vinha sendo hábito, com muitos tomates (J), um banho restaurador e a descansar com as estrelas… Amanha é o último dia nestas serras magníficas!

hpim5017.jpg

dia_4.jpg Mapa completo do 4º dia

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s